TV Globo, o MST das Comunicações

Tipografia

Emissora da família Marinho, diferentemente do MST, que ocupa para protestar, invade uma gleba de 12 mil metros quadrados no bairro do Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, uma das regiões onde o terreno é dos mais caros do país.

Por Alberto Luchetti

Isso o “Jornal Nacional” não deu: invadiram uma gleba de 12 mil metros quadrados no bairro do Brooklin, na Zona Sul de São Paulo, uma das regiões onde o terreno é dos mais caros do país. Avaliado em 12 milhões de reais, o cobiçado pedaço de chão está localizado na Avenida Água Espraiada, esquina com a Avenida Dr. Chucri Zaidan, numa região que sofreu a mais radical intervenção urbana da cidade nos últimos anos, transformando-se num grandioso pólo de desenvolvimento.

Desta vez, os invasores não pertencem ao Movimento dos Sem Terra – MST. Neste caso, os posseiros ou grileiros - como eram chamados no passado aqueles que se apropriavam de terra alheia - são integrantes da família Marinho. A família é dona de um grande conglomerado de mídia no Brasil, que inclui, entre seus empreendimentos, a Rede Globo de Televisão, uma das cinco maiores empresas de comunicação do mundo e a maior da América Latina.

Os invasores (a seguir denominados MST da G, ou seja MST da Globo) foram mais longe. Avançaram para a rua. Conseguiram, antes do início de uma edificação no local, onde era uma praça pública, mudar o nome da Avenida Água Espraiada para a do patriarca da família, o “companheiro jornalista” Roberto Marinho. E nesta esquina começaram a erguer um prédio, que já está com fundações e subindo pavimentos.

Há dez anos, depois que abandonou a pocilga que ocupava na Praça Marechal Deodoro, no centro, e construiu sua sede paulistana na Avenida Dr. Chucri Zaidan, a Rede Globo de Televisão vinha limpando e mantendo a praça pública invadida, cercada como se fosse propriedade particular, com acesso apenas para seus funcionários.

Incansável e utilizando como slogan o principal objetivo da plataforma política do MST, que é “lutar pela terra”, o MST da G pressionou politicamente, forçou e conseguiu do Governo de São Paulo a doação da área para construção de uma escola.

Agora, o MST da G é literalmente dono do pedaço. Já está construindo no terreno, depois de invadi-lo por vários anos, uma escola técnica voltada para a mídia eletrônica. Os cursos, com 240 vagas por semestre, serão de multimídia e produção de áudio e vídeo. Instalada ao lado dos estúdios da Globo, a escola deverá ficar pronta em 2011.

É de se espantar. Não se tem notícia até hoje na cidade de São Paulo de uma doação de terreno de tais proporções (12 mil metros quadrados), numa área tão valorizada, para a iniciativa privada construir um curso técnico. Nem mesmo uma escola, uma faculdade ou até uma universidade. Resta ainda uma dúvida fundamental. O novo prédio do MST da G será utilizado só pelos alunos do curso técnico? Não há garantias.

Quem conhece a primeira edificação da Avenida Dr. Chucri Zaidan, ao lado da futura escola, sabe que tanto para atender o jornalismo, como as produções dos programas gravados em São Paulo, as instalações globais não são suficientes para abrigar o número de profissionais que ali trabalham. Sobra programa e gente, e o local não resiste a uma simples vistoria da Prefeitura.

Num voto de confiança, porém, vamos admitir que o Governo de São Paulo acreditou e o MST da G pretende mesmo destinar a nova construção apenas para cursos técnicos voltados ao público externo. Ainda assim, considerando o número de alunos e a duração dos cursos, a Globo despejará num mercado saturado quase 500 novos técnicos a cada dois anos. Ou seja: também não se justifica mais uma escola com tais características.

O argumento é simples. Num rápido percurso por São Paulo, da Cantareira, na Zona Norte, até Campo Limpo, na Zona Sul, passando pelo centro da Cidade e seguindo até a divisa de Osasco, na Zona Oeste, e Itaim Paulista, na Zona Leste, encontraremos mais de 20 faculdades de Comunicação, com ofertas de cursos de jornalismo, rádio e TV.

Se, por hipótese, cada uma dessas instituições de ensino formar 100 profissionais por ano, temos 2 mil novos técnicos a cada 12 meses no mesmo mercado disputadíssimo ao qual a Globo deseja entregar mais 500 profissionais a cada 24 meses, para justificar a posse de um nobre terreno que invadiu.

Essa Malhação é o mesmo que tirar o sofá da sala, segundo a velha anedota de uma grande Passione. O assunto devia render mais ti ti ti, mas em clima de zorra total o caso soa mais como piada do Louro José.