Governo do estado nega solicitação do Sindicato dos Radialistas para incluir categoria como grupo prioritário para vacinação

Notícias
Tipografia

WhatsApp Image 2021 04 01 at 16.27.36

Mesmo fazendo parte do setor considerado essencial e parte da categoria se expondo a contaminação, governo do estado de São Paulo negou a solicitação do Sindicato dos Radialistas para incluir a categoria como grupo prioritário para vacinação contra o coronavirus. 

 

Em resposta ao Sindicato no dia 26 de janeiro desse ano, como justificativa, o governo relata que "a disponibilidade limitada de doses da vacina, foi priorizada segundo os critérios de exposição à infecção e de maiores riscos para agravamento e óbito pela doença. O escalonamento desses grupos populacionais para vacinação se dará conforme a disponibilidade de vacinas, após liberação para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)", informa.

Trabalhadores caminhoneiros, portuários, industriais, de transporte coletivo metroviário, ferroviário, aquaviário, aéreo e rodoviário estão incluídos nos grupos prioritários de vacinação. Mas os Radialistas, que também exercem função essencial, não.

Considerada como setor essencial pelo governo federal, através do decreto 10.288/2020, no dia 22 de março do ano passado, os trabalhadores da área de comunicação, entre eles a categroia dos Radialistas, tem garantido o fluxo de informação, prestação de serviços e entretenimento a população. De lá pra cá, os radialistas não pararam, seja nos estúdios de rádio e TV ou fora deles, para fazer matérias, apurações jornalísticas e entrevistas, se expondo ainda mais a contaminação. Mas não foi o suficiente para o reconhecimento, pelo governo do estado, da necessidade de proteção desses trabalhadadores.

Os Radialistas, juntamente com os Jornalistas, seguem com suas funções, diariamente, garantindo que a população seja informada sobre a Pandemia no país, como número de contaminados, mortos, recuperados, dos cuidados necessários para evitar a contaminação, do processo moroso que se encontra o Plano Nacional de Imunicação, além de informações pertinentes sobre o funcionamento de órgãos do governo, sistema bancário e estabelecimentos comerciais.

Atualmente a categoria registra números expressivos de contaminações de radialistas e mortes, em todo país. Emissoras de TV, em alguns casos, já suspenderam gravação de programas, alteraram sua grade de programação, além de uma afiliada da TV Record, em  que suspendeu o funcionamento devido ao grande número de contaminados.