A Seguridade e a Assistência Social não são concessões de nenhum governo, são frutos da luta da Classe Trabalhadora

Notícias
Tipografia

seguridade social

Fruto da luta da classe trabalhadora que enfrentou os mais diversos governos, como a ditadura militar financiada pela burguesia, a Seguridade Social é um direito fundamental para garantir segurança e proteção aos trabalhadores nas mais diversas situações, que vão desde o desemprego até a absoluta ausência de recursos para sobreviverem.

Pela Intersindical

Foi da experiência concreta de solidariedade e luta da classe trabalhadora que nasceram as primeiras formas de socorro, como as Associações de Auxílio Mútuo que tinham como objetivo garantir o necessário aos trabalhadores adoecidos e sem trabalho, junto à solidariedade, a luta de enfrentamento contra os patrões e seus governos.

Foi a luta direta dos trabalhadores que garantiu que Previdência, Seguridade e Assistência Social estivessem incluídas entre os direitos básicos: portanto isso não foi concessão de nenhum governo ou uma benesse do Capital que tem no trabalhador sua principal mercadoria, pois é o trabalhador que quanto mais se desgasta no processo de trabalho, mais lucro gera ao patrão e quando adoece é lançado fora, como uma peça que danificada não serve mais para a produção dos lucros. As doenças e acidentes provocados pelo trabalho que não param de crescer são o exemplo cruel dessa realidade e a cada novo governo, o Capital tenta arrebentar também com direitos que existem na Previdência de proteção básica a esses trabalhadores. 

Esse é um dos exemplos que mostram a importância de termos na luta assegurado na Constituição Federal de 1988 o direito à saúde universal, à previdência social e a assistência social, num sistema em que de forma solidária os trabalhadores participam com sua contribuição para garantir aposentadorias, auxílios previdenciários e a assistência social para quem dela precisar. 

Também garantimos na luta a obrigatoriedade que o Capital repasse parcela de seus lucros para o sistema Previdenciário, o que ano após ano vem sendo desrespeitado, seja pelos calotes gigantescos das grandes empresas privadas à Previdência, seja pelos desvios de verbas feitos pelos governos de plantão para atender o grande capital.

A Seguridade Social é alvo constante dos patrões desde seu surgimento, pois, para garantir a manutenção de seus lucros nos períodos de saída de suas crises buscam no Estado medidas para garantir que seus lucros não cairão. Para isso o Estado age seja no Executivo, Parlamento, Judiciário e com as Forças armadas a cada nova crise aprofundando os s ataques aos direitos trabalhistas e sociais.

Com os constantes ataques às políticas de Seguridade Social e com alto índice de desemprego impostos pelo Capital, milhares de trabalhadores são atendidos apenas pela política de Assistência Social. 

Esta política de assistência social é organizada pelo SUAS, o Sistema Único da Assistência Social, em que são colocados auxílios e serviços públicos a quem deles necessite, como o Bolsa Família, serviços de proteção à crianças, adolescentes, idosos, entre outras políticas de assistência para quem mais precisa. Com os constantes ataques às políticas de Seguridade Social e com alto índice de desemprego, cada vez mais, milhares de trabalhadores precisam de apoio da Política de Assistência Social, seja pelo BPC (Benefício de Prestação Continuada), auxílio de 1 salário mínimo para idosos e portadores de necessidades especiais que não podem trabalhar e que não possuem acesso à Previdência  e são importantes conquistas dos trabalhadores que fazem parte do programa da Assistência.

A assistência social é utilizada pelos governos de plantão principalmente em momentos de miséria crescente, nos picos de desemprego e informalidade como se fosse uma concessão para os trabalhadores terem acesso ao mínimo a sua sobrevivência. 

Com o avanço da pandemia no Brasil após muita pressão para que se garantisse o mínimo para os trabalhadores que estão no desemprego, na informalidade e incapacitados para o trabalho, foi criado o auxílio emergencial.

E nunca é demais lembrar que o governo da morte de Bolsonaro era contra o auxílio emergencial e depois teve a desfaçatez de apresentar uma proposta de auxílio no valor de R$200,00. Após muita pressão das Organizações dos Trabalhadores, o auxílio aprovado foi de R$ 600,00, e esse valor que ainda era muito pouco, agora foi cortado pela metade pelo governo e tendo apenas somente mais 4 parcelas.

Os patrões viram na situação de pandemia e de miséria generalizada uma oportunidade para atacar ainda mais direitos dos trabalhadores. Várias medidas provisórias e portarias foram impostas liberando os patrões a diminuir salários, retirar direitos e continuarem com as demissões.

Junto a isso, as grandes corporações industriais, do sistema financeiro, do agronegócio e do comércio querem que o dinheiro público esteja à disposição de seus interesses, por isso apoiaram a proposta inicial apresentada por seu ministro da economia Paulo Guedes em que propunha criar o tal “Renda Brasil” acabando com o seguro defeso, o abono salarial, o salário família entre outros programas básicos de transferência de renda.

Enquanto as grandes empresas, bancos,  seguem lucrando em meio a pandemia, o governo segue com a agenda imposta pelo Capital aprofundando os ataques da reforma trabalhista, criando maiores dificuldades para que os trabalhadores tenham acesso a auxílios previdenciários, além de sua desumana reforma da Previdência que exterminou o direito à aposentadoria de uma grande parcela da classe trabalhadora. 

Com o mesmo discurso mentiroso de que as reformas visam atacar os privilégios como o utilizado na reforma da Previdência, o velho e falso discurso da “ineficiência” e da necessidade do “ajuste fiscal” se reapresenta agora para congelar os salários do funcionalismo público junto à reforma administrativa que tem como objetivo acabar com os direitos dos trabalhadores e sucatear de vez o serviço público. 

Desmontar e privatizar os serviços essenciais como ocorre na saúde e reduzir os direitos sociais é um dos principais objetivos dos patrões depois da aprovação de sua reforma trabalhista. Para tanto, não importa se isso custe a morte de mais de 130 mil pessoas e milhões de contaminados pela COVID 19, o importante são os seus lucros. 

Por isso agora o alvo da vez é o serviço público, a campanha mentirosa da Reforma Administrativa escancara a quem o Estado serve.

Num país em que mais de 130 mil já morreram, mais de 4 milhões estão contaminados, mais de 40 milhões estão sem emprego e que uma grande parcela da classe trabalhadora sequer tem acesso ao minguado salário mínimo, os patrões e seu governo da morte seguem buscando arrancar mais direitos dos trabalhadores. 

A necessária luta em defesa dos direitos sociais, passa também pela defesa da Seguridade e assistência social. A mobilização em defesa do serviço público e de qualidade para a população trabalhadora é a resistência necessária para manter os direitos que ainda temos hoje e foram conquistas das gerações de nossa classe que vieram antes de nós que os garantiram através de muita firmeza, solidariedade e luta.