No início de maio, o Intervozes notificou o Google Brasil, empresa controladora do YouTube, pela remoção de vídeos críticos à programação das emissoras de TV e que haviam sido publicados pela entidade na plataforma entre 2013 e 2017.