Sindicato dos Radialistas emite nota de repúdio às agressões sofridas por equipe da EPTV São Carlos

Notícias
Tipografia

EPTV camera quebrada

Foto: reprodução internet  Câmera danificada da equipe de reportagem da EPTV

A diretoria do Sindicato dos Radialistas no estado de São Paulo emitiu nota de repúdio às agressões sofridas por equipe de reportagem da EPTV Central, de São Carlos - SP, quando estavam cobrindo a greve dos caminhoneiros no município de Leme/SP.

 

O episódio aconteceu em uma das passarelas da Rodovia Anhanguera, próximo do km 330, no município de Leme/SP. Segundo informações do portal G1, um operador de câmera e um auxiliar de externas foram os mais agreditos. A jornalista que compunha a equipe conseguiu correr e se abrigar na casa de moradores locais. Foi ela quem chamou a polícia por telefone. Ainda segundo a reportagem, um suspeito foi identificado, ligado ao movimento dos caminhoneiros.

A nota da diretoria segue;

A diretoria do Sindicato dos Radialistas repudia toda forma de violência, principalmente a que ocorreu com os trabalhadores da EPTV de São Carlos na última quarta feira (30), quando fazia cobertura do encerramento da greve dos caminhoneiros no município de Leme/SP. Não é possível admitir que, em pleno século 21, os trabalhadores de empresas de rádio e TV ainda são confundidos como quem determina o conteúdo que vai ser exibido nas empresas de comunicação. É importante salientar, que os movimentos sociais e sindicais, fazem sua luta legítima e suas lideranças devem orientar os movimentos a respeitar outros trabalhadores, que simplesmente fazem a cobertura jornalística dos eventos. A insatisfação pelo tipo de cobertura deve ser dirigida à direção das empresas de comunicação e não aos seus trabalhadores, que não determinam a narrativa dos acontecimentos. Quiçá um dia o país possa ter uma rede de comunicação democrática e que a ética jornalística seja respeitada, para que episódios como esse não aconteçam com trabalhadores de empresas de comunicação, que simplesmente fazem seu trabalho.