Em assembleia nacional, radialistas, em conjunto com jornalistas de São Paulo, aprovam ato na Globo

Notícias
Tipografia

WhatsApp Image 2018 05 26 at 10.26.29 1

Foto: Jota Reis Na mesa: Sérgio Ipoldo, dos Radialistas e Paulo Zochi, dos Jornalistas

 

Na última quinta-feira (24) radialistas de todo o país realizaram diversas assembleias pelo Brasil.

Os trabalhadores e trabalhadoras de rádio e televisão decidiram fazer um ato nas emissoras e afiliadas da TV Globo. O ato político é por conta do decreto 9.329/18, sancionada pelo presidente Michel Temer, a pedido dos donos de rádio e TV e que desregulamentou a profissão dos radialistas, sem ouvir os trabalhadores e seus representantes e consiste que os trabalhadores no dia 7 de junho utilizem uma peça de roupa na cor preta para simbolizar a indignação e revolta. 

Campanha Salarial

Na assembleia da Campanha Salarial do último sábado (26). A proposta dos radialistas foi ratificada na assembleia conjunta dos radialistas e jornalistas, realizada na sede do Sindicato dos Jornalistas, em São Paulo.

Em São Paulo e em outros estados, que também estão fazendo suas campanhas salariais, o ato também servirá para alertar os trabalhadores para perdas dos direitos, que estão em suas Convenções Coletiva de Trabalho e que os patrões de rádio e televisão estão tentando acabar com eles nas mesas de negociação.

Não se deve esquecer que, tanto o decreto quando as negociações salariais, com todas as categorias de rádio e televisão no Brasil, foram e são comandados pelas organizações Globo de Comunicação.

As organizações Globo de Comunicação é o maior grupo de mídia do país, tem a segunda maior emissora de TV no Mundo, e é um dos maiores monopólios de comunicação do mundo, recebendo mais de 70% de toda verba pública e privada no Brasil. É ela quem comanda as decisões, nas negociações da campanha salarial em todo o país.

Peça de roupa preta

No próximo dia 7 de junho de 2018, uma quinta feira, os trabalhadores de rádio e teve de todo Brasil deverão mostrar sua força união e indignação, comparecendo no trabalho com uma peça de roupa na cor preta e, dessa forma, contribuir para pressionar a direção da empresa de que os trabalhadores podem se mobilizar, de forma mais enérgica se precisar.