campanha estadual

Campanha Salarial significa luta de uma categoria de trabalhadores em defesa e conquista de direitos

O Sindicato dos Radialistas realizam assembleia de abertura da Campanha Salarial do ano de 2018. Inicia-se a partir de então a organização dos radialistas do estado de São Paulo, com objetivo de renovação de sua convenção coletiva de trabalho da categoria.

Os trabalhadores devem ter em mente que os patrões sempre estão organizados e por conta disso alcançam seus objetivos que, só são impedidos, quando os trabalhadores estão organizados. Eles têm seus interesses, de nossa parte, é defender os nossos. Essa situação depende única e exclusivamente dos Radialistas. Ou seja, se a categoria se organizar e reagir, os trabalhadores da categoria tomam às rédeas da situação.

Após o desmonte trabalhista, em que o governo e os patrões chamam de “reforma trabalhista”, eles pensam que o caminho está livre para tentarem fazer o que bem entender. E não vai ser assim, se depender da organização dos Radialistas. Junte-se ao Sindicato. Juntos a força dos trabalhadores prevalece, com possibilidade de impedir os patrões retirar direitos.

Participe da Assembleia

Organize sua escala de folga, desmarque aquele compromisso do sábado da assembleia. Se não puder ir, combine com quem não estará na escala de trabalho para ir e representar os colegas do setor.

 

Assembleia Estadual

Sábado, 24 de fevereiro 2018, às 11h da manhã

Rua Conselheiro Ramalho, 992 – São Paulo

assembleia pq

Na assembleia a colônia de Férias dos Radialistas será novamente discutida

A assembleia é aberta a todos, mas apenas os sócios com sua mensalidade associativa em dia poderão ter direito a voto.

Prestação de contas

Como todos os anos a diretoria do Sindicato dos Radialistas faz a apresentação de sua prestação de contas, para aprovação da categoria, em assembleia estatutária, do que foi gasto no ano de 2017. Será feito também a apresentação da previsão orçamentária para este ano de 2018. Membros da categoria e sindicalizados podem conferir o balanço financeiro e patrimonial da entidade do ano de 2017.

Colônia de Férias

Na assembleia realizada no ano passado, no mês de novembro, que discutiu a venda da Colônia de Férias dos Radialistas, a proposta de venda não passou e deliberou-se pensar mais um pouco sobre o assunto e prorrogar esta discussão para uma outra assembleia, esta que será realizada no dia 24/02/2018, onde a discussão será: Venda da Colônia de Férias dos Radialistas, ou meios financeiros para mantê-la como meio de lazer da categoria.

Não falte, não deixe de ir na assembleia

Organize sua escala de folga, desmarque aquele compromisso do sábado da assembleia.  Se não puder ir, combine com quem não estará na escala de trabalho para ir e representar os colegas do setor.

 

Assembleia Estadual

Sábado, 24 de fevereiro 2018, às 9h da manhã

Rua Conselheiro Ramalho, 992 – São Paulo

intersindical333 400x270

 

PARA IMPEDIR O FIM DOS DIREITOS E GARANTIR A PREVIDÊNCIA, É PRECISO AMPLIAR A LUTA! 

 

O governo Temer/PMDB tenta a todo custo completar seu plano de ataques à classe trabalhadora para atender os interesses da burguesia.
Depois de, junto com o Congresso Nacional, impor uma reforma trabalhista que significa dar maiores e melhores condições para o Capital seguir com as demissões e a precarização das condições de trabalho, com jornadas flexíveis de acordo com seus interesses, permitindo a redução de direitos e salários, o governo busca agora coroar suas reformas acabando com a Previdência.
 
Recursos da Previdência desviados, sonegação que já passa de R$ 500bilhões, dinheiro devido por empresas que, na maioria absoluta, estão ativas, como também várias prefeituras que dão um calote consentido pelo governo aos cofres públicos: essa é a realidade que Temer, a serviço da burguesia, tenta esconder.
A brutalidade contra a classe trabalhadora é tamanha que tentam responsabilizar a longevidade dos trabalhadores para justificar sua proposta de nos fazer trabalhar até morrer.
 
Aumentar a idade de homens e mulheres para aposentadoria, cortar pensões, arrochar ainda mais os valores pagos das aposentadorias, dificultar ainda mais o acesso aos devidos benefícios previdenciários é a proposta do governo, ou seja, atacar aqueles que pagam regularmente a Previdência e manter impune as grandes empresas caloteiras.
 
Enquanto o governo e o Congresso Nacional seguem em sua promiscuidade para atender aos interesses da burguesia, os lucros do Capital aumentam e a miséria se espalha para todos os lados: A propaganda dos patrões e do governo se desmancha a cada dia. Eles diziam que sua reforma trabalhista era para garantir empregos, mas a verdade é que o desemprego continua alto e as contratações informais aumentaram.
 
É para isso que serve a reforma trabalhista dos patrões: diminuir salários e direitos do conjunto dos trabalhadores e continuar com a demissões.
E a reforma da Previdência também cumpre o mesmo objetivo: garantir a continuidade da sonegação das grandes empresas e ao mesmo tempo abrir a porteira para o sistema financeiro impor seus planos de previdência privada.
 
Enquanto atacam os direitos de quem produz – siderúrgicas, montadoras, autopeças, indústrias químicas e diversos outros ramos da economia – comemoraram os lucros que seguem em alta.
 
Atacam o direitos, salários e empregos, espalham a miséria: É cada vez maior o número de trabalhadores e suas famílias que estão perdendo até o teto onde moram e indo para rua. Isso tudo é o resultado das ações impostas pelo Capital e de seus governos, que retiram da classe trabalhadora até o básico para sobrevivência.
 
E em Brasília, Temer governa de acordo com os votos que têm na Câmara dos Deputados para aprovar a reforma da Previdência. Ao ponto de tentar impor a qualquer custo a filha do deputado Roberto Jefferson/PTB como Ministra do Trabalho, a deputada Cristiane Brasil, que , além de ter dado calote trabalhista em trabalhadores que foram seus funcionários no Rio de Janeiro, tem como apoio empresários que fizeram questão de se manifestar “indignados” em relação às ações judicias que recebem por não cumprirem a legislação trabalhista.
 
CONTRA TUDO ISSO É PRECISO AMPLIAR O MOVIMENTO E CONSTRUIR A GREVE GERAL!

A Intersindical se soma novamente ao calendário nacional de mobilização contra a reforma da Previdência, no próximo dia 19. Nos locais em que estamos, vamos fortalecer as mobilizações e avançar para além de um Dia Nacional de Luta, pois para barrar a implantação da reforma trabalhista dos patrões e impedir a reforma da Previdência é preciso parar a fonte de lucro do Capital, é preciso construir a greve geral.

 

No site da Intersindical

Rede Internacional de Televiso

Ilustração: reprodução

 

 

Em audiência de conciliação realizada nesta quinta feira (08), com a Fundação Internacional de Comunicação (FIC), mais conhecida como RIT, relativo ao vale refeição, depois de duas horas de discussões sobre a questão, a juiza Andrea Davini Biscardi, da 67ª Vara do Trabalho de São Paulo/SP, formulou uma proposta para fechamento de acordo no pagamento dos valores devido do vale refeição da seguinte maneira: o valor apurado pelo sindicato deverá ser pago, sem qualquer desconto, em cinco parcelas sendo a primeira para o dia 08/03/2018. A empresa concordou com a proposta, para isso o Sindicato deverá realizar assembleia com os trabalhadores para submetê-la a apreciação dos trabalhadores envolvidos no processo. Por essa razão, o Sindicato dos Radialistas convoca todos os trabalhadores da empresa bem como os demitidos, para participar da Assembleia que será realizada na próxima quinta feira (15), na sede do Sindicato às 19hs.

Como foi feito na assembleia anterior, terá validade a proposta que tiver maioria de votos, e a minoria se sujeitará à esta decisão. Dessa forma é imprescindível que todos os trabalhadores envolvidos compareçam na assembleia, pois será necessária a autorização individual de cada um por escrito, pois essa documentação será juntada nesse processo.

O Sindicato dos Radialistas informa que as demais deliberações da assembleia anterior permanecerão inalteradas, inclusive com relação ao número de contas bancárias, já indicadas. Para evitar tumulto na assembleia, caso tenha havido alguma alteração nos dados bancários, o trabalhador deverá entregar essas informações no dia da assembleia, devidamente digitados, contendo: nome completo do substituído; CPF; PIS; Banco; Agência; Conta Corrente. Tal como ocorreu na última assembleia, será disponibilizado na entrada a listagem com indicação da mesa respectiva que cada um deverá se dirigir. Solicita-se ainda a cooperação de todos no sentido de avisar os colegas demitidos sobre a assembleia que se realizará.

Orienta-se os trabalhadores e familiares para não ligar no sindicato para tratar desse assunto e assim evitar congestionamento das linhas, pois todas as dúvidas e informações serão prestadas na assembleia.

 

 

 

reforma da previdência4

Foto: reprodução Esquerda On Line

 

Com informações Esquerda On line

Na última semana, as centrais sindicais se reuniram para discutir os próximos passos na luta contra a Reforma da Previdência. CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central, UGT, Intersindical anunciaram que irão organizar uma Jornada Nacional de Luta para impedir que o projeto seja colocado em pauta na Câmara dos Deputados no dia 20 de fevereiro, como pretende o Governo de Michel Temer (PMDB) e aliados. Dia de mobilizações está sendo programado para a data.

Em nota, divulgada após a reunião, as centrais afirmaram repudiar o que chamaram de “campanha enganosa do governo”. Ainda, orientam suas bases a “entrarem em estado de alerta e mobilização nacional imediata, com a realização de assembleias, plenárias regionais e estaduais, panfletagens, blitz nos aeroportos, pressão nas bases dos parlamentares e reforçar a pressão no Congresso Nacional”, afirmam, além de aumentar o esclarecimento do projeto junto aos trabalhadores e trabalhadoras. “A unidade, resistência e luta serão fundamentais para barrarmos mais esse retrocesso” concluem. Dia nacional de protestos será convocado para o dia 19 de fevereiro.

Além das centrais sindicais reunidas nesta quarta, outros movimentos sociais e entidades dos trabalhadores estão se organizando para programar mobilizações na tentativa de barrar a Reforma da Previdência de Temer. A CSP-Conlutas, central sindical e popular, por exemplo, vem afirmando a necessidade de, além de uma jornada de luta, construir uma greve geral, como a que ocorreu no dia 28 de abril de 2017, com todas as centrais sindicais unificadas, mostrando o peso da classe trabalhadora do País, majoritariamente contrária à PEC do governo.  

 

Leiam a íntegra da nota divulgada, abaixo:

 

Centrais realizarão Jornada Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência

Em reunião manhã desta quarta-feira (31), as centrais sindicais (CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central, UGT, Intersindical) aprovaram a realização de uma Jornada Nacional de Luta contra a Reforma da Previdência.

Na oportunidade, as centrais repudiaram a campanha enganosa do governo Michel Temer para aprovar a Reforma da Previdência. E orientam para o próximo dia 19 de fevereiro um Dia Nacional de Luta.

Com a palavra de ordem “Se botar pra votar, o Brasil vai parar”, as centrais orientam suas bases a entrarem em estado de alerta e mobilização nacional imediata, com a realização de assembleias, plenárias regionais e estaduais, panfletagens, blitz nos aeroportos, pressão nas bases dos parlamentares e reforçar a pressão no Congresso Nacional.

As centrais sindicais conclamam suas bases a reforçar o trabalho de comunicação e esclarecimento sobre os graves impactos da “reforma” na vida dos trabalhadores e trabalhadoras.

A unidade, resistência e luta serão fundamentais para barrarmos mais esse retrocesso.

 

Flaviana Serafim

Foto: Flaviana Serafim

Com informações do Sindicato dos Jornalistas de SP

Por Flaviana Serafim 

 Emissora continua rebaixando proposta de indenização aos demitidos e audiência de conciliação terminou sem acordo

 

Terminou sem acordo, na tarde desta segunda-feira (29), a audiência de conciliação que tratou da demissão coletiva de jornalistas e radialistas da Band, ocorrida no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT2-SP), no centro da capital paulista.

Os profissionais não aceitaram a contraproposta da Band, pois reivindicam no mínimo dois salários como indenização. Nesta segunda audiência, a emissora ofereceu apenas um salário, e somente para os demitidos com mais de 45 anos de idade e pelo menos um ano de trabalho. Além disso, pela contraproposta da emissora, quem tem mais de um ano de trabalho e menos de 45 de idade teria duas parcelas a mais de seguro desemprego e, aos que trabalham a menos de um ano na Band, nenhuma compensação seria paga.

Movida pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas da Radiodifusão e Televisão do Estado de São Paulo, a ação judicial agora segue para julgamento do dissídio pelos desembargadores do TRT2-SP.

Na audiência desta segunda-feira, os radialistas também reclamaram que muitos dos demitidos ainda não haviam recebido da empresa os documentos que permitem sacar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e dar entrada no seguro da empresa, e os representantes da Band se comprometeram a resolver a situação até a terça-feira (30).

Quanto os jornalistas demitidos, o SJSP esclareceu que as homologações serão feitas na sede do sindicato nos próximos dias 6 e 7 de fevereiro, mas com ressalvas devido à ação que segue tramitando no TRT2-SP.

Entenda o caso

No último dia 4 de janeiro, alegando “reestruturação”, a Band promoveu uma demissão em massa de quase 80 profissionais, dos quais cerca de 60 radialistas e 15 jornalistas. Prontamente, os sindicatos das categorias moveram ação judicial para suspender as demissões e, ainda, reivindicando que a empresa não fizesse alterações na escala de plantão dos finais de semana dos trabalhadores e trabalhadores.

A ação dos sindicatos garantiu uma liminar no TRT2-SP impedindo novas demissões até a audiência de conciliação, sob pena de pagamento de multa de R$ 15 mil por trabalhador dispensado. Assim, três trabalhadores demitidos em 15 de janeiro foram reintegrados.

Na primeira audiência, no último dia 17, a Band se comprometeu e não alterar a escala de plantão, mas não houve acordo para readmissão dos jornalistas e radialistas dispensados. Na ocasião, o entendimento com os sindicatos foi o de dar continuidade às negociações, mas não houve acordo do período. Desde então, emissora segue rebaixando a proposta de compensação das demissões apresentada pelos sindicatos.

Como a segunda audiência também terminou sem acordo neste dia 29 de janeiro, a partir desta data a Band tem um prazo de cinco dias para entrega de documentos complementares e os sindicatos têm outros 10 dias para se manifestar. Após o prazo, o processo será distribuído entre os desembargadores e a ação segue para julgamento pelo Tribunal.

O atendimento jurídico na área previdenciária mudou de dia da semana e horário. Passou a ser todas as quintas feiras das 10h as 12h. 

O Sindicato dos Radialistas disponibiliza a todos os trabalhadores da categoria atendimento jurídico, também, na área previdenciária. O atendimento é especifico para processos previdenciários e de acidentes de trabalho, que acontece na própria sede da entidade. 

Para ser atendido o trabalhador deverá fazer o agendamento através do telefone 11 3145 9999, ramal 5 (Jurídico).



WhatsApp Image 2018 01 20 at 06.52.49

 

Divulgação

 

Fundado em 2013, o Bloco do Fuá marcará presença no carnaval de 2018, completando o seu quinto cortejo sempre
pelas ruas do Bixiga.
 
O Fuá se caracteriza pela crítica social e política, oferecendo diversão e contestação ao povo, sua marca principal. De-
fendemos a diversidade e somos contra todos os tipos de discriminação.
 
Somos signatários do Arrastão dos Blocos, movimento em defesa do Carnaval de rua livre e da democracia, composto
por dezenas de blocos da cidade de São Paulo.
 
Defendemos a ocupação do espaço público como exercício da cidadania; a importância da valorização e armação das
tradições culturais; o Carnaval de rua, a economia criativa e o direito à alegria e à folia.
 
O tema do carnaval de 2018 será: “Humanicidade. Carnavalizando essa Zona toda. Derretendo a Doriana no asfalto”
 
Pretende ser uma crítica à política na esfera municipal, estadual e nacional. O tema se apresentará nas letras satíricas
das músicas, mas também nas artes, adereços e no caminhão de som. Com composições e letras criadas pelos com-
ponentes, o bloco desla pelas ruas do Bixiga sempre tocando ao vivo com banda e percussionistas que têm vindo a se
formar no próprio grupo.
Nossos adereços, estandartes e decoração do carro são feitos com material reciclado ou reaproveitado, e confec-
cionados pelos participantes do bloco com a supervisão dos artistas plásticos: Nelson Alvim e Paulo Aliende.
Vocais: Cláudia Santana, Valquíria Medeiros e Paulo Aliende.
 
O Cortejo ocorrerá no dia 11 /02/201,7 domingo de Carnaval - GRATUITO.
 
 
Mestre de Bateria: é o arte educador Afonsinho Menino.
Músicos: Márcio Miele (sax); Nadir (cavaco) , Thiago Morrinho (violão 7 cordas), Vavá (violão), Danny Mantey (baixo)
Arranjos: Adriano Filho, que também assina a direção musical.
 
Doação: Traga um quilo de alimento não perecível ou produtos de higiene pessoal que serão doados à CASA DO IMI-
GRANTE ( Igreja da Paz - Glicério ), um Centro de acolhimento aos imigrantes.
 
Concentração: às 15h - rua Conselheiro Ramalho 992 - saída as 18h
 
 
Dispersão: rua Martins Fontes
 
 
Trajeto: ruas: Conselheiro Ramalho, Manoel Dutra, Major Diogo, Santo Antonio, Martinho Prado, rua Martins Fontes
Finnalizando às 22h.
 
Repertório: músicas próprias e também marchinhas e sambas antigos.
 
 
Logo: boca (designer, Rosane Almeida)
 
 
Cores: Vermelho, Branco e Preto
 
 
Caderno com as letras compostas pelo bloco serão distribuídos gratuitamente aos foliões para poderem cantar com a
banda.
 
Caminhão de Som: Trio Bala com 40.000 wats de potência
 
Foliões: 5.000 - Cinco mil
 
 
Ensaios gratuitos às 18h no Al Janiah todo último domingo do mês
Mais informações na página do Bloco do Fuá no facebook. https://www.facebook.com/blocodofuasp/
 
Os integrantes do Bloco do Fuá dizem ter como principal objetivo levar a cultura popular brasileira para as ruas da capital
paulista, com muita irreverência e alegria.
 
O bloco reúne ativistas culturais, militantes das causas sociais, músicos, compositores, atores, artistas plásticos, jorna-
listas, atores, professores, trabalhadores de diversas áreas, amigos, comunidade e amantes da folia de todas as raças,
credos e idades.
 
O Fuá está aberto a todos os que respeitam a cultura, a folia carnavalesca e a diversidade.
 
Agenda
 
janeiro/fevereiro
13/01 – Domingo – 12hs Feijoada do Fuá (Niver Marco e Paula) Dona Zefa, Alameda Barão de Campinas, 562
14/01 – Domingo – 17hs Ensaio do Bloco do Fuá Local a definir
21/01 – Domingo – 17hs Ensaio do Bloco do Fuá Local a definir
27/01 – Sábado – 21hs Festa do Bloco do Fuá Al Janiah - Rua Rui Barbosa, 269 - Bixiga
04/02 – Domingo – 17hs Ensaio do Bloco do Fuá Local a definir
27/01 – Sábado – 21hs Festa do Bloco do Fuá Al Janiah - Rua Rui Barbosa, 269 - Bixiga
04/02 – Domingo – 17hs Ensaio do Bloco do Fuá Local a definir
11/02 – Domingo CORTEJO FUÁ – 14hs Concentração: Sindicato dos Radialistas - Rua Conselheiro Ramalho, 992 – Bixiga
 
Nossos contatos: Marco Ribeiro 996162522 | Rose Almeida 941284675 | email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
 

Bloco do Fuá

band

Depois de ver a reforma dos patrões passar no congresso, Rede Bandeirantes pode demitir mais de 300 trabalhadores, com ataques às nossas conquistas

 

Redação Antena Ligada e Mural

 

Não é novidade que a emissora do Morumbi tem descaso com seu quadro funcional. Inúmeros processos trabalhistas foram abertos nos últimos anos devido a esta postura de desrespeito com os trabalhadores. O ano começa com demissões na emissora, aproveitando as "facilidades" que os patrões conseguiram com a mudança na legislação trabalhista.

A Band, através dos seus veículos de comunicação (rádio, TV e imprensa), foi uma, dentre outras empresas de mídia, que defendeu, e defende, as reformas implantadas por um governo que é fruto de um golpe.

Com o discurso de que era necessário modernizar a CLT e que mudando geraria mais empregos, o resultado é esse: perda de direitos e demissões em massa. Os trabalhadores, pais de família, estão sentindo na pele o preço dessa reforma, que foi patrocinada pelos patrões.

As direções dos Sindicatos condenam e repudiam as demissões promovidas pela Band, convocando os trabalhadores para se organizarem com os sindicatos. Somente a nossa organização pode garantir a defesa de nossos direitos.

Crise criada pelos patrões

            Começou com a crise internacional e foi intensificada no Brasil com contribuição da BAND, para que houvesse desestabilização política e econômica. Dessa maneira, ao dar o golpe no governo anterior, o caminho estava livre para atacar os direitos dos trabalhadores por um governo fantoche e ilegítimo.

Radialistas e jornalistas

            Juntos nessa luta, radialistas e jornalistas estão se organizando. Os sindicatos de ambas as categorias começaram a conversar para melhor organizar as duas categorias numa luta que é de todos. Não dá pra ficar olhando o bonde passar, pois as demissões podem chegar em você.

Só um tiquinho

            Segundo o RH da empresa, o grupo tem perto de 3500 trabalhadores. Informaram que iriam demitir apenas 50, mas vários sites de notícias voltados a Rádio e Televisão falam na demissão de mais de 300 trabalhadores. Por isso a importância dos trabalhadores demitidos comunicar aos seus sindicatos para que tenhamos esses números exatos. Tratados como números, pais de família irão para rua da amargura.

            Ou lutamos para modificar o quadro ou sem mobilização as demissões serão recorrentes. Todos devem ter compromisso em defender seus direitos.

            Não às investidas da BAND contra os trabalhadores!

 

NOTA DE REPÚDIO

 

            Os Sindicatos dos Radialistas e dos Jornalistas de São Paulo manifestam o seu absoluto repúdio às demissões de profissionais de rádio e televisão da Rede Bandeirantes. As empresas de rádio e TV ajudaram a alcançar um dos objetivos do golpe, a reforma trabalhista, e não colocam em prática os valores da ética, moral e justiça.

            A Bandeirantes, nos meses anteriores, teve uma postura de ignorar o diálogo com os sindicatos e trabalhadores para resolver qualquer questão coletiva das relações de trabalho.

            São nítidas, as lesões e os prejuízos que se refletirão em nossas famílias, no mercado de trabalho e na sociedade brasileira. Aos que ficam, é imposta a evidente precarização nas relações de trabalho, com sobrecarga de serviço e insegurança geral.

            Diante disso: repudiamos a atitude da empresa, e estamos trabalhando para tomar as medidas cabíveis.

 

Trabalhador, saiba o que fazer em caso de demissão:

 

➡  assine apenas o "comunicado simples de demissão", escrevendo "ciente”. Qualquer outro documento estabelecendo condições (como acordo de parcelamento de verbas ou quitação de direitos) não devem ser assinados.

➡  informe ao sindicato da sua categoria, para que possamos saber ao certo o número total de demitidos.

Sindicato dos Radialistas: 3145-9999

Sindicato dos Jornalistas: 99300-1382

 

 

2013 sbt periculosidade 11

Foto: Divulgação Ato realizado na porta do SBT em 2013 para pressionar SBT a pagar adicional de periculosidade, enquanto ação corria na Justiça

 

Por conta do processo movido pelo sindicato o (SBT), informou que a partir do mês de dezembro de 2.017 vai começar a pagar o adicional de periculosidade aos trabalhadores que estão na ativa diretamente na folha de pagamento. O percentual é de 30% sobre o salário base, com incidencia nas horas extras e demais verbas.
Entenda o caso

O Sindicato dos Radialistas ganhou ação na Justiça onde a empresa foi condenada a pagar o adicional de periculosidade a todos os trabalhadores incluidos na ação. Como o Juiz mandou integrar esse direito nos contratos de trabalho, aqueles que estão na ativa passarão a receber a partir desse mês de dezembro. Os valores retroativos já estão sendo calculados pelo contador do sindicato e provavelmente no começo de fevereiro já teremos alguma novidade sobre o processo. Para saber se você faz parte do processo, clique aqui e veja se seu nome consta na lista de substituídos.

TST brasília

Fachada da sede do TST em Brasília (Foto: Ascom/TST)

 

Com informações Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal

 

Em Brasília, nesta quarta (13) os Sindicatos assinaram um novo Acordo Coletivo de Trabalho com a EBC oriundo da proposta de mediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e  que foi aprovado em assembleia pelos trabalhadores.

As entidades conseguiram no TST condições que possibilitem a compensação dos dias, mesmo com resistência por parte da direção da empresa. Lembrando que a diretoria da EBC defendia o desconto nos salários de todos os dias parados.

As regras foram registradas na ata da audiência de conciliação desta quarta (13), que devem seguir o seguinte rito estabelecido pelo TST:
- O limite para compensação será de 2 horas diárias, em até 120 dias;
- A compensação ocorrerá mediante comum acordo entre chefia imediata e empregado, com o estabelecimento de plano de compensação em até 10 dias da assinatura do ACT 2017/2018, sendo que os casos de impasse devem ser submetidos por escrito à área de recursos humanos da empresa;
- A empresa pode abater horas-extras, de comum acordo entre chefia e empregado, nos termos da norma vigente – NOR 310, de 06/07/2017 ;
- O empregado pode dispensar a compensação e automaticamente concordar com o desconto;
- Caso as horas não sejam compensadas até os 120 dias, passa-se ao desconto, que se dará somente sobre as horas não compensadas.

Orientação do Sindicato dos Jornalistas do DF

O SJPDF orienta a categoria a encaminhar um plano de compensação a chefia no prazo previsto de 10 dias. O plano deve contar as horas que efetivamente deveriam ser realizadas, lembrando que a avaliação é de que o feriado do dia 15/11 não deve ser compensado e nem os dias já abonados na escala. Quem tiver horas-extras para ser compensadas poderá abater nos dias parados em conformidade com a norma da EBC, ou seja, utilizando os adicionais. Qualquer desacordo com a chefia imediata, o empregado deve recorrer a RH. O Sindicato se coloca à disposição para acompanhar este processo. O trabalhador que tiver dificuldades pode acionar diretamente algum diretor ou entrar em contato com a entidade pelo 3343-2251 ou por meio do Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Confira o modelo de plano de compensação desenvolvido pelo SJPDF:

http://www.sjpdf.org.br/images/fotos/greveebc2017/Plano-compensacao.doc

Veja a reprodução da ata no TST:

http://www.sjpdf.org.br/images/fotos/greveebc2017/ataAudiencia.pdf

Confira o novo ACT da EBC:
http://www.sjpdf.org.br/images/fotos/greveebc2017/2017-2018v2.compressed.pdf

Veja a matéria completa sobre a assinautra do Acordo:
http://www.sjpdf.org.br/noticias-teste/38-extra/3534-sindicatos-garantem-assinatura-do-act-da-ebc-conforme-proposta-do-tst

16712057817 b2662e0e77 k
Foto: Ronaldo Werneck  -      Will em atividade sindical na porta da TV Record
 
Não tem jeito, a Record, definitivamente, não anda bem com suas decisões, que acabam tendo de serem revertidas na Justiça. 


Por Ronaldo Verneck

Em decisão recente da Justiça, Wilson Santiago Merces, mais conhecido como "Will", conquistou sua reintegração ao trabalho na função de Assistente de Estúdio, depois de ter sido afastado com alegação de falta grave, ao participar de reunião destinada aos auxiliares de câmera na emissora. 

Decisão proferida pela magistrada Maria Fernanda de Queiroz da Silveira, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo, neste domingo, garante reintegração ao trabalho ao não reconhecer falta grave, acusação feita pela emissora para tentar justificar uma demissão por justa causa.

Entenda o caso

Em fevereiro de 2016 Will e Nadir, dirigentes sindicais do Sindicato dos Radialistas, estavam liberados para desenvolver atividade sindical e, por isso, compareceram numa reunião destinadas aos auxiliares de câmera da emissora, na qual descobriram "in locu", que se tratava de tentativa de demissão, em massa,desses trabalhadores. A empresa obviamente, não gostou que o Sindicato, através desses dirigentes, estivessem presentes para alertar os auxiliares de câmera do que estava por ocorrer e informar a respeito de alternativas que poderiam tomadas pelos trabalhadores.


Will e Nadir foram, então, afastados de suas funções para que pudessem serem responsabilizados de conduta grave, alegada pela empresa, para justificar demissão por justa causa. Em processos individuais, no caso de Will, a sentença impõe na TV Record mais uma retumbante derrota política, que tem sido recorrente, devido a decisões questionáveis frente ao discurso que a direção promove entre seus funcionários.

Além das custas processuais a empresa está obrigada a fazer os pagamentos, que foram interrompidos, dos salários devidos desde o afastamento até a efetiva reintegração no cargo; 13º salário (s), férias, com abono de 1/3 e FGTS, que deve ser depositado em conta vinculada do trabalhador.